Perguntas frequentes

Neurofeedback

O Neurofeedback tem muitas aplicações: ansiedade, depressão, distúrbios do sono, TDAH e Dis, autismo…. Ajuda a aliviar os sintomas e a otimizar as funções cerebrais: atenção, concentração, memória, fadiga, stress, gestão emocional, etc.

O Neurofeedback foi classificado como uma forma sólida de tratar distúrbios de acordo com extensos estudos! Uma rápida pesquisa no Pubmed pelos termos “biofeedback” e “neurofeedback” dá acesso a um grande número de estudos de mais de 50 anos, constituindo uma base científica sólida. Muitos estudos sérios com protocolo randomizado demonstraram efeitos benéficos e sua manutenção a longo prazo.

Esta técnica funciona graças aos mecanismos básicos de funcionamento e aprendizagem do cérebro (neuroplasticidade e condicionamento operante). O cérebro é um músculo, pode aprender e mudar ao longo da vida.

Cuidado, existem diferentes tipos de Neurofeedback! Alguns já foram comprovados há muito tempo, outros não funcionam ou são muito mal praticados por pessoas não treinadas, acabando por pintar um quadro negativo do Neurofeedback.

Não, foi o trabalho do Dr. Barry Stermann em 1967, no qual ele usou gatos, que levou ao desenvolvimento do neurofeedback. Os animais, ao contrário dos humanos, não estão sujeitos aos efeitos placebo.

Ele realizou 2 experimentos: o primeiro mostrou que os gatos eram capazes de modificar sua atividade cerebral para conseguir mais comida.

No segundo estudo, Stermann descobriu que estes mesmos gatos do primeiro estudo estavam melhor protegidos do envenenamento por combustível de foguete da NASA durante os testes (provocou convulsões nos astronautas), em comparação com o grupo de gatos que não tinha feito o primeiro experimento.

A razão? No primeiro estudo, os cientistas pediram aos gatos que aumentassem o ritmo sensório-motor (SMR: 12 a 15 Hz) no cérebro: esta grande descoberta abriu o campo para o neurofeedback e um tratamento para a epilepsia.

Saiba mais sobre a descoberta e desenvolvimento do neurofeedback →

Não, não há risco. O qEEG nos permite medir a função cerebral, é fundamental avaliar o cérebro antes do Neurofeedback para saber o que é possível ou não. Cada um de nós é diferente, o treinamento deve ser personalizado para garantir uma boa eficiência. Graças às nossas ferramentas, ao nosso treinamento e à nossa experiência com mais de 1.600 cérebros treinados, o neurofeedback é seguro para praticar, aplicando os Padrões de Prática ensinados nos cursos de treinamento.

Sim, mas são raros. Um implante metálico na cabeça ou uma ferida aberta recente pode atrapalhar o registro do eletroencefalograma e neste caso não podemos garantir bons resultados. Isso deve ser discutido previamente com a equipe.

Estados psicológicos instáveis ​​(por exemplo, esquizofrenia instável) ou dependência de substâncias sem retirada prévia podem comprometer os resultados do neurofeedback.

Efeitos colaterais leves são possíveis após as primeiras sessões de neurofeedback: fadiga ou uma leve pressão na cabeça (muito mais fraca que uma dor de cabeça). Tal como acontece com uma sessão de esportes, o cérebro pode ficar dolorido ou cansado após uma sessão. Essa condição não dura mais do que algumas horas. Se você seguir nossos conselhos e aplicar nossas recomendações, reduzirá o risco de ter efeitos colaterais.

A taxa de sucesso estimada por estudos é de 80%. Diz respeito apenas ao campo da pesquisa e ao neurofeedback, mais frequentemente praticado em 2 ou 4 canais.
Nossa abordagem se concentra no escore Z de Loreta em 19 canais, juntamente com neuromodulação magnética e elétrica e fotobiomodulação. Esta combinação de ferramentas tem uma maior taxa de sucesso e permite-nos alcançar mais rapidamente resultados positivos, fortes e estáveis.

Sim, o cérebro é capaz de aprender coisas novas e reter informações a longo prazo. Assim como andar de bicicleta, mesmo que você não ande há 5 anos, você ainda sabe pedalar. Não é necessário fazer neurofeedback para o resto da vida.

Um grande número de estudos tentou medir a estabilidade dos efeitos do neurofeedback durante um período de tempo mais longo ou mais curto: até 10 anos após o tratamento com neurofeedback, os benefícios registados ainda estão presentes.

Não, os medicamentos não são contra-indicados com neurofeedback. A nossa experiência mostrou o contrário: graças ao neurofeedback, muitos dos nossos clientes conseguiram reduzir ou mesmo interromper a medicação (com a aprovação do médico ou psiquiatra responsável).

É fundamental que você sempre nos mantenha informados sobre os nomes e dosagens de seus medicamentos e se estes mudam durante o neurofeedback.

Sim, recomendamos fortemente que você tome medidas em vários aspectos do seu dia a dia (terapia, medicação, nutricionista, etc.). As dificuldades ocorrem como resultado de uma sucessão de eventos. É, portanto, necessário estabelecer acompanhamentos a vários níveis para poder agir.

O neurofeedback pode ser feito a partir dos 4 ou 5 anos e até aos 90 anos, sem qualquer limite de idade.

Uma sessão de neurofeedback consiste em várias etapas.

É sempre precedido por uma avaliação qEEG (ou BrainMap).

Descubra como funciona uma sessão de neurofeedback

As sessões de neurofeedback duram um total de 1 hora, incluindo configuração, estimulação e treinamento.

Cada cérebro é diferente, o número total de sessões dependerá dos motivos da consulta, da gravidade dos sintomas, etc. Em média, após 10 a 15 sessões o seu objetivo será alcançado.

É necessário um mínimo de 10 sessões. Por que? Uma única sessão de neurofeedback proporcionará alívio imediato, mas não durará com o tempo. Para aprender a se regular melhor e a se adaptar sozinho ao ambiente, o cérebro precisa repetir o exercício várias vezes antes de dominá-lo.

Pelo menos uma vez por semana, mas é possível fazer mais. Temos uma programação especial para quem vem de longe.

Por que pelo menos uma vez por semana? Tomemos o exemplo da leitura: antes de nos tornarmos automáticos (ler sem esforço), tivemos que aprender a decifrar letras, depois sílabas, depois palavras, etc.

Com a prática regular, a leitura tornou-se dominada e automática. É o mesmo para o cérebro, você tem que repetir as sessões de neurofeedback regularmente e de perto até que o cérebro saiba como fazer isso sozinho facilmente.

Em alguns países sim, mas (ainda?) este não é o caso no Luxemburgo.

O BrainMap ou qEEG

Não há contraindicação para a realização desses exames. Porém, um implante metálico na cabeça pode atrapalhar o registro do eletroencefalograma e neste caso não podemos garantir bons resultados.

Não, porque a análise dos dados não é a mesma. O neurologista observa o traço bruto enquanto o qEEG requer análises quantitativas adicionais.

Sim, no seu interesse, assim como no nosso, é fundamental conhecer o cérebro que vamos treinar. Daí a necessidade de fazer um qEEG (ou mapa cerebral) previamente.

Não. Cabe a você decidir se deseja ou não fazer o neurofeedback após os resultados da avaliação inicial. A decisão é sua.

Após a medição do EEG, leva no mínimo uma semana para realizar a análise e escrever relatórios escritos detalhados de seus resultados. Durante a sua sessão de qEEG (ou mapa cerebral), marcaremos uma segunda consulta, no local ou remotamente, para relatar seus resultados.

Privacidade

A Neurofeedback Luxemburgo respeita o sigilo profissional e a confidencialidade do cliente. Porém, a pedido do cliente, é possível entrar em contato com o(s) profissional(es) que o acompanha(m).

Caso sejam necessários relatórios específicos adicionais, estes serão cobrados. Iremos informá-lo com antecedência se for esse o caso.

Marque uma teleconsulta gratuita

Fale com um especialista por telefone para determinarmos juntos a solução que melhor se adapta às suas necessidades e orçamento.

Chamada gratuita sem compromisso.